Criminal Macabre – Steve Neil & Ben Templesmith

01

Well, well, well…Creio que todos sabem que eu simplesmente AMO o Ben Templesmith, mas nem sempre tudo foi assim, a primeira vez que dei de cara com Criminal Macabre eu estava imersa demais no padrão norte americano de ilustração a ponto de ter torcido forte o nariz para a HQ, achei tudo muito confuso e feio e acabei largando depois de umas três páginas. Eu passei um ano inteiro sem ter internet e ia apenas na casa do meu pai baixava as coisas e voltava pra casa da minha mãe e graças a isso dei uma segunda chance a Criminal Macabre quando estava sem nada para ler, abençoado seja esse dia. Criminal Macabre não tem a arte limpa, ela é MUITO da suja e a primeira vez que li eu me senti MUITO perdida e não gostei nem um pouco, mas resolvi dar uma oportunidade a ela após ler Dead Space que também foi ilustrada pelo Ben. Após você tomar o primeiro impacto da arte dele você que ela é necessária e agrega e muito na história, aumentando o clima e a imersão, coisa que uma arte padronizada e perfeita não poderia levar a você.

08

A história me lembrou um pouco Hellblazer na questão sobrenatural, aquele sobrenatural mais urbano e muito envolvente, também me senti lendo uma HQ que Stephen King poderia ter escrito facilmente porque a parte de terror é muito boa. Eu senti um ar meio noir na forma de contar a história e na aparição de alguns personagens, certas pessoas vão descordar, mas para mim existe um neo-noir e essa HQ é uma representante desse estilo que ninguém aceita.

22

Os aspectos que eu acho noir são primeiramente a iluminação da HQ, sei que é um costume e faz parte da arte do Ben, mas isso unido a narrativa da aquele ar sombrio, depressivo que as histórias noir tinham. Além disso temos uma verdadeira femme fatale na história, dentro das características que classificam as femmes fatales de antigamente, ser uma fatale não é ser saidinha e sempre trair o cara pelos seus interesses. As femmes fatales são mulheres fortes que sabem se virar sozinha e não estão ali para serem resgatas pelos heróis e sim para ajudarem os heróis em suas jornadas e temos isso nessa HQ.

06

Falando em narrativa a construção do personagem principal é fantástica, ele é humorado, um pouco irritante, mas aquele irritante que você ama devido ao deboche e sarcasmos do cidadão, é um personagem muito carismático e humano, mesmo em um mundo louco. Uma coisa bem legal no roteiro é que ele é tão humano que ele se quebra todo pagando de o forte, mas ele sabe e todos sabem que ele é tão humano quanto nós e isso fica muito interessante na HQ.

04

O final de Criminal Macabre é simplesmente fantástico e me surpreendeu como eu nunca imaginária, é uma HQ que vai ganhando um ritmo no decorrer das edições, e tudo começa bem devagar e o quebra cabeça vai se montando na sua mente e ai alguém bate nele e tudo muda de lugar. Não quero dar spoiler do final da HQ, mas posso falar que é um final que te deixa com aquele gostinho de quero mais sabe, poxa poderia ter uma continuação e eu realmente penso isso. Todos os personagens inclusive os secundários são tão bons que queria acompanhar mais histórias do Tenente, mas infelizmente a gente tem apenas essa mini muito bem produzida. Espero que um dia Steve e Bem resolvam trazer novamente o personagem a ativa, ele é quase um Dilan Dog atual e na minha opinião mais divertido, ou mais polêmico nunca saberei qual das duas opções.

Criminal Macabre é uma ótima história de mistério, terror e policial e para quem gosta de qualquer um desses temas deveria ler que ela é fantástica e se você já leu 30 dias de noite faz esse favor e lê o Steve vai se sentir melhor sabendo que você leu Criminal. Quem quiser dar uma olhada na HQ Só Quadrinhos e Vertigem tem procurem por lá e sejam felizes. No próximo post quem sabe eu não falo da HQ que me levou a ler Criminal Macabre? Aguardem.

Rasteje Para Mim – Alan Robert

Primeiramente quero deixar claro que não fico decorando nome de desenhista ou algo do gênero portanto o único que conheço de nome e gosto de falar é meu divo, não estudo muito tecnicamente HQ, apenas leio e sou feliz, mas pelo blog isso mudara espero eu. Vamos ao que importa agora.

Rasteje Para Mim Capa

Rasteje para mim é uma HQ que um amigo que sabe que eu gosto de HQs de terror falou comigo em total entusiasmo, entusiasmo que eu entendo, mas não tive o mesmo no mesmo quesito. A HQ é criada, escrita, ilustrada e letrada por Alan Robert e primeiramente eu achei que a ilustração era do Bem Templesmith porque a arte dos dois se parece bastante e me surpreendi ao ver que não era. Eu realmente não se se eu classificaria essa história com de terror, para mim não é terror é um mistério a ser desvendado e o fato das pessoas classificarem como terror diminuiu minha empolgação ao terminar de ler. Estou mais acostumada com aqueles terrores tipo Tommynocker do Stephen King, e achei tão mais dramático que aterrorizante que isso em decepcionou um pouco, nada demais.

Layout 1

Rasteje Para Mim é uma HQ que alguns seres do HADES falam que tem a arte suja, quase insuportável, no entanto eu discordo, não dá para usar sempre aquela arte limpa e excessivamente padronizada das comics de super-heróis em revistas de terror. Na minha opinião essas artes sujas combinam perfeitamente com esse clima de terror, deixa tudo mais legal, e se eles acham a arte de Rasteje Para Mim que nunca parem para ler Silent Hill, as vezes você se perder na arte pela quantidade de sujeira ou informação, chame como quiser.

Já li muitas HQs de terror e a maioria tende para esse tipo de arte e isso colabora e muito para elevar o grau da HQ e não é diferente em Rasteje Para Mim, foi a melhor escolha de arte que vi, e no final a arte me surpreendeu bastante tenho que ser sincera.

Layout 1

Achei bem legal o roteiro que me surpreendeu de maneira positiva, você vai desenvolvendo na história, mas pelo menos para mim, nunca esperei que o desfecho seria aquele, tudo te leva a crer em X final e depois é Y e esse Y é MUITO TOCANTE. O personagem principal sempre é uma incógnita para nós, e digo isso em relação ao o que está acontecendo com ele, mas mesmo assim conseguimos criar um amor e simpatia por ele fantástico. Essa HQ é um tanto quanto psicológica e acho isso muito legal, quase não se vê essas questões sendo tratadas de maneira correta ou de maneira interessante em HQs comuns, pelo eu não vejo muito. Na maioria dos casos é um heróis com problemas psicológicos daqueles bem blasé de sempre que simplesmente me irritam de tão comum e idiota.

A HQ tem o que eu chamarei de IV atos, são 4 capítulos escritos em número romano e como é um roteiro maravilhoso quero chamar de ato. Os 4 atos são escritos de maneira sublime porquê o clímax e as descobertas acontecem sem perder o ritmo e sem ser apressado demais e você não consegue acompanhar a história. Ela segue aquele ritmo perfeito que ela precisa, vai te surpreendendo aos poucos, e você vai se interessando mais e mais até perceber que já está imerso na história.

Layout 1

A história vai tomando um ar mais assustado no final e você fica OMG, WTF IS THIS? Uma coisa que achei ótimo e eu não ter entendi porra nenhuma (deduzido) até o final da história, assim eu consegui entender o quão perdido o personagem estava, porque eu também estava e isso foi bom. Quando você finalmente entende o que está acontecendo você fica com aquela cara de UAU, como assim? Era isso? Nunca eu iria imaginar? Que fantástico? E é muito bom ter essas sensações após ler uma história, por esses motivos eu indico rasteje para mim a todas as pessoas que posso.

Quem quiser dar uma olhada nessa HQ que eu me lembre tem no Só Quadrinhos, então é só dar um pulo lá e procurar, mas pesquisando pelo Google vocês conseguem “comprar” elana net sim.

Eu não sou muito boa em fazer análises ou críticas então vou pedir que tenham paciência pois estou aprendendo, mas espero que gostem da postagem e esteja legal, Beijitos com Burritos da Coodex.

Olá, meu nome é: Thyago

Olá, meus caros! Já devem conhecer a Morganna, certo? Pois bem, chamo-me Thyago Costa, tenho 23 anos e resido na cidade de Belém (PA). Como todo paraense, amo açaí!

A ideia desse blog foi unir nossos gostos e expor para vocês. Sempre é bom observar a opinião de todos em qualquer assunto que seja abordado aqui, nossa nova casa.

Aos 9 anos li minha primeira HQ – do Thor (história do tempo de “Heróis Renascem”). Desde então o deus nórdico do trovão tornou-se meu herói favorito. Foi então que me apaixonei pela 9º arte! Cresci lendo Marvel e DC, mas ultimamente estou em uma “vertente alternativa”, principalmente com os títulos do selo Vertigo. Logo, muitas recomendações serão de HQs pouco usuais, MAS não esqueceremos dos títulos famosos!

E claro! Fractal Nerd terá vários caminhos além da já citada 9º Arte. Cinema, Livros, Música e Artes. No mais, sejam bem-vindos e aproveitem a estadia!

Olá meu nome é: Morganna

Olá pessoal tudo bem? Eu sou uma metade da dupla dona deste blog, meu nome é Morganna tenho 21 anos e sou morado (mas não Carioca) do Rio de Janeiro, e criei este blog juntamente com meu amigo Thyago pois somos loucos e apaixonados por coisas nerds principalmente HQs. Este blog surgiu de uma ideia simples de tentar ajudar nossos amigos que gostam de HQ e depois foi tomando forma com outras ideias que foram surgindo no decorrer das coisas, eu sempre quis ter um blog do gênero, mas não queria fazer sozinha pois só a minha opinião ficaria sem graça e tem mais gente entendida de HQ que eu.

Eu não leio HQ a muito tempo, mas sempre gostei no entanto nunca havia encontrado os temas que eu gostava nas bancas, graças ao filme Constantine que eu me tornei uma leitora de HQ pois descobri a Vertigo que abrangia exatamente o tipo de tema que eu amo. Dizem que eu sou underground quando se fala de HQ pois sempre falo de alguma que ninguém conhece, não irei negar que gosto de gênero bem diferentes e tentarei sempre trazer novidades a vocês.

Espero que gostem do nosso blog, que possamos crescer juntamente com vocês e que claro possamos falar de tudo além de HQ de maneira legal, estadual e bonita (pequena piada interna sendo feita)